top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

TJMG Derruba Suspensão de Livro “O Menino Marrom” em Conselheiro Lafaiete

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) derrubou, na última quinta-feira, 27, a suspensão dos trabalhos pedagógicos com o livro "O Menino Marrom" no município de Conselheiro Lafaiete. A Secretaria Municipal de Educação havia suspendido o uso do material na semana passada.

Na decisão liminar, que ainda cabe recurso, o juiz Espagner Wallysen Vaz Leite ordenou o fim imediato da suspensão do uso da obra "O Menino Marrom", sob pena de multa diária de R$ 5 mil. As informações são do jornal G1.

“A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal e deste Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais é firme no sentido de proibição da censura prévia”, destacou a decisão.

A suspensão do livro nas escolas de Conselheiro Lafaiete, na Região Central de Minas Gerais, ocorreu após a pressão de pais que consideraram o conteúdo “agressivo”.

História e Polêmicas sobre "O Menino Marrom"
Publicado em 1983, "O Menino Marrom" narra a história de dois amigos, um negro e um branco, que exploram o significado das cores e suas diferenças. Alguns pais acreditam que trechos do texto induzem crianças “a fazer maldade”.

Um dos trechos do livro que gerou polêmica envolve um pacto de sangue entre os meninos, que não se concretiza: “Temos que fazer o pacto de sangue!” Um dos personagens vai até a cozinha buscar uma faca de ponta para furar os pulsos. No final, eles optam por usar tinta: “Ficaram os dois com as pontas do fura bolos cheias de tinta azul.”

Outro trecho controverso é sobre um pensamento negativo do protagonista em relação a uma velhinha que não aceitou sua ajuda para atravessar a rua, mas que não se concretiza.

Posicionamento do Executivo Local
Em nota nas redes sociais, a prefeitura afirmou que o livro de Ziraldo “é um recurso valioso na educação, pois promove discussões importantes sobre respeito às diferenças e igualdade” e “aborda de forma sensível e poética temas como diversidade racial, preconceito e amizade”.

Contudo, diante das diversas manifestações e divergências de opiniões, a Secretaria Municipal de Educação solicitou a suspensão temporária das atividades relacionadas ao livro para readequar a abordagem pedagógica e evitar interpretações equivocadas. “Lamentamos que tenham havido interpretações dúbias”, continuou a pasta. “A Secretaria, em sua função de gestão e articulação entre escola e comunidade, compreende ser necessário um momento de diálogo com os responsáveis para que não sejam estabelecidos pensamentos precipitados e depreciativos em relação às temáticas abordadas.”

Reações da Comunidade e Especialistas
O cartunista mineiro e especialista em literatura infantil José Carlos Aragão criticou a suspensão, classificando-a como “uma manifestação de censura a uma obra consagrada”. “A literatura não pode ser tomada como um código de conduta, de moral e bons costumes”, disse. “A literatura é arte, uma coisa que vai muito além disso. No máximo, um tema como esse pode ser tomado como um pretexto para um debate amplo e civilizado, que vai promover mais conhecimento.”

A decisão do Executivo gerou reações entre pais de alunos e docentes da rede municipal de ensino. Para a professora Marta Glória Barbosa, que dá aulas de português para o ensino médio, a medida prejudica os estudantes. “É preocupante. Sou professora de português, então, qualquer retirada de livro, para mim, é o cúmulo do absurdo. O livro é espetacular, escrito pelo Ziraldo, que é nosso. Não vejo nenhuma justificativa para essa suspensão”, declarou.
Fonte: Revista Oeste

Comments


bottom of page