top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Três membros de grupo criminoso são presos, suspeitos de tentativa de homicídio

A investigação segue em andamento para identificação do quarto envolvido nos crimes.


Foto: PCMG
A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), em Campos Gerais, desencadeou operação, na última segunda-feira (22/1), que terminou com a prisão preventiva de três suspeitos de uma dupla tentativa de homicídio ocorrida no último dia 31 de dezembro.

Na ocasião, um homem foi abordado por quatro suspeitos que saíram de um carro, no bairro Jardim Botânico, e foi atingido por tiros de metralhadora na testa e no maxilar. Como resultado do atentado, outro homem que estava próximo ao local do crime acabou sofrendo disparos também e foi socorrido ao hospital.

Com o início dos levantamentos investigativos, a Polícia Civil identificou uma testemunha ocular, que apontou a identidade de três dos suspeitos. Assim, a equipe policial descobriu que os suspeitos integram grupo criminoso voltado para o tráfico de drogas e conheciam a vítima alvo. Além disso, o mesmo homem teria sido vítima de um atentado, por parte do grupo, no dia 21 de dezembro.

O delegado Kennedy Guimarães, responsável pelas investigações, destaca que o mandante dos crimes chegou a executar um “julgamento paralelo” da vítima no decorrer das apurações. “O investigado determinou que seus subordinados, fossem até a casa da testemunha, no último dia 4 de janeiro, quando surpreenderam a vítima e a levaram para um local onde criminosos são julgados e passam por sanções”, revela o delegado. “Assim, a vítima da tentativa de homicídio teria sido julgada culpada e a sanção seria retirar a queixa na polícia, caso contrário, seria morto”, completa Guimarães.

Com o desenrolar do inquérito policial, a PCMG requisitou à Justiça os mandados de prisão preventiva, os quais foram deferidos e cumpridos na última segunda-feira (22). O trio foi encaminhado ao sistema prisional e está à disposição da Justiça. A investigação segue em andamento para identificação do quarto envolvido nos crimes.

Fonte: PCMG


Comentários


bottom of page