top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Agência britânica classifica China como risco à segurança cibernética


A China representa um risco genuíno à cibersegurança do Reino Unido, afirmou a chefe da agência de inteligência britânica GCHQ na terça-feira (14). A avaliação da dirigente é de que a Rússia e o Irã representam riscos imediatos, mas Pequim será o desafio de uma era.

Nos EUA e em toda a Europa há uma ansiedade crescente em relação às supostas atividades de espionagem chinesas. O governo do primeiro-ministro britânico Rishi Sunak é a principal voz de acusação contra as autoridades chinesas, que negaram todas as alegações.

Na segunda-feira (13), Sunak afirmou que os britânicos enfrentam “um eixo formado por países autoritários, como a Rússia, o Irã, a Coreia do Norte e a China”. Avisos que partiram também da chefe do GCHQ, Anne Keast-Butler.

“Como o primeiro ministro disse, os próximos anos serão perigosos e terão muitas mudanças”, afirmou Kest-Butler numa conferência sobre segurança em Birmingham, na região central da Inglaterra.

Em seu primeiro grande discurso público desde que foi nomeada como diretora da agência, no ano passado, ela afirmou que as ameaças da Rússia são agudas e que podem ser sentidas por todos os países, com uma preocupação crescente na relação entre o serviço de inteligência do Kremlin com seus aliados. E que o Irã se manteve agressivo no espaço virtual, associando grupos ligados a Teerã com ataques direcionados a diversos países. Mas ela afirmou que a China era sua prioridade número 1.

“No ciberespaço, acreditamos que as ações irresponsáveis da República Popular da China enfraquecem a segurança da internet como um todo”, afirmou.
As afirmações de Keast-Butler ecoam o que já foi dito por outras duas agências de inteligência britânicas, conhecidas como MI5 e MI6, e, também, por estruturas similares dos EUA.

O diretor de segurança cibernética nacional dos EUA, Harry Koker, afirmou na conferência que hacker militares chineses estavam encurralando as defesas americanas no ciberespaço e mirando ativos do país numa escala “sem precedentes”.

“Em um cenário de crise ou conflito, a China poderia usar suas capacidades instaladas em cibersegurança para tumultuar a infraestrutura civil ou retardar ações militares dos EUA”, afirmou.

No mês passado, Sunak afirmou que agentes ligados ao estado chinês conduziram à criação de “campanhas cibernéticas maliciosas” contra parlamentares britânicos.

E na semana passada, o primeiro-ministro afirmou que um “ator maligno”, que a mídia britânica afirmou ser a China citando fontes governamentais, provavelmente teria causado danos ao sistema de pagamento usado pelas forças armadas britânicas. Acusações que Pequim classificou como “absurdas”.

Na segunda-feira (13), três homens foram julgados por acusações de ajudar o serviço secreto de Hong Kong no Reino Unido. Outros dois, incluindo um ex-assessor parlamentar, respondem a acusações de espionagem para a China. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, afirmou numa coletiva de imprensa na terça-feira (14) que os britânicos têm causado alvoroço com alegações sobre espiões chineses e ciberataques.
Fonte: CNN

Comments


bottom of page