top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Eleições no Equador: conselho eleitoral aprova inscrição de substituto de candidato assassinado


Christian Zurita e Andrea Gonzalez Nader oficializam candidatura à Presidência do Equador Reprodução/Instagram



O Conselho Nacional Eleitoral do Equador (CNE) aprovou nesta quarta-feira o registro de Christian Zurita como candidato presidencial do Movimento Construye. Zurita substitui Fernando Villavicencio, assassinado em 9 de agosto em um ataque armado durante um evento de campanha.

A decisão foi partilhada pela presidente da CNE, Diana Atamaint, através do X, anteriormente denominado Twitter: “Por unanimidade e com base no relatório submetido à nossa apreciação, qualificamos a candidatura presidencial” de Christian Zurita.

Por sua vez, o Movimento Construye também publicou no X a qualificação da candidatura e acrescentou: “Como disse o Fernando (Villavicencio): agora é escolher entre o país e a máfia”.

Um dia antes, na terça-feira, 16 de agosto, o movimento Revolución Ciudadana de Correista havia contestado a candidatura de Zurita. No documento apresentado ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) argumentava-se que Zurita “está atualmente filiado a outra organização política”.

No entanto, em sua decisão, o CNE indicou que “rejeitou a impugnação apresentada contra a candidatura, porque o candidato não é filiado ou aderido a nenhuma organização política”. E acrescentou que “em consequência, foi aprovada a qualificação da candidatura, após verificação do cumprimento dos requisitos”.

Entretanto, Zurita falou à imprensa estrangeira na quinta-feira e disse que tem o mesmo perfil de perigo de Villavicencio, que, garantiu, foi morto pelo que pretendia fazer e não pelo que disse.

“A segurança se deve ao fato de eu ter o mesmo perfil de perigo de Fernando Villavicencio, porque as ameaças sempre foram para todos. Eles já nos mostraram que podem. E ele foi morto não pelo que disse, mas pelo que ele planejou fazer Este plano (de governo) é baseado acima de tudo no que planejamos fazer. Tenho sido claro e enfático porque está claramente estabelecido no plano de governo. É lá que está indicado que deve haver um processo de expurgo da Polícia Nacional nas suas cúpulas”, disse o agora candidato presidencial do Movimento Construye.
Sobre a contestação do correísmo, o Movimento Construye disse anteriormente em X que procurava silenciá-los e publicou um documento datado de 13 de agosto em que Zurita notificou a CNE sobre um registo falso que o mostrava filiado em outro partido, para o qual pede a sua anulação. .

Zurita também falou em X na época e descreveu o desafio como “totalmente falso”. O candidato reiterou que não é filiado a nenhum outro movimento político. “Aguardamos a resposta da CNE para a confirmação da nossa candidatura, na esperança de que não surjam mais obstáculos no nosso caminho”, escreveu.
Após a morte de Villavicencio em um ataque armado no norte de Quito em 9 de agosto, o partido equatoriano Movimiento Construye, do qual ele era o candidato assassinado, escolheu Zurita para substituir o político assassinado, revertendo uma decisão do dia anterior.

Em primeira instância, o partido disse que o candidato à vice-presidência de Villavicencio, Andrea González Náder, seria o candidato substituto, mas depois de uma série de reviravoltas, escolheu o jornalista especializado em corrupção, crime organizado e narcotráfico para a nomeação.

Zurita dividia a redação jornalística com Villavicencio e nos últimos meses vinha trabalhando em sua campanha política até que, após o atentado que acabou com sua vida, aceitou ocupar seu lugar na disputa pela presidência.
O Equador está programado para realizar seu primeiro turno de eleições extraordinárias no domingo, 20 de agosto.

Violência política e insegurança assombram o Equador

O brutal assassinato de Villavicencio, candidato abertamente crítico da corrupção e ex-jornalista investigativo, chocou o país antes das cruciais eleições presidenciais e legislativas a serem realizadas no domingo. Também chamou a atenção internacional para as poderosas organizações criminosas que conduzem a violência que assola o Equador.

O suposto atirador morreu sob custódia policial, segundo as autoridades, enquanto seis cidadãos colombianos foram detidos em conexão com o assassinato. Os suspeitos são membros de grupos criminosos organizados, disse o ministro do Interior do Equador, Juan Zapata, citando evidências preliminares.
A raiz dessa violência política é que o Equador é um ponto de trânsito na rota da cocaína da América do Sul para os Estados Unidos e a Europa, disse à CNN Jan Topic, um dos vários candidatos à presidência. Segundo ele, as lacunas nas fronteiras facilitam a atuação de cartéis transnacionais de drogas no país.
A terrível situação representa uma mudança radical em relação a uma década atrás, quando o Equador era conhecido como um país relativamente seguro na região. Segundo dados da Polícia Nacional do Equador, a taxa de homicídios em 2016 foi de 5,8 por 100.000 habitantes.

No ano passado, havia disparado para 25,6, um nível semelhante ao da Colômbia e do México, países com longas histórias de violência de cartéis de drogas.
Além de Villavicencio, outros políticos foram baleados este ano. Nesta segunda-feira, Pedro Briones, dirigente de um partido de esquerda local, foi morto a tiros na província de Esmeraldas, segundo as autoridades.

No mês passado, Agustín Intriago, prefeito da sexta maior cidade do Equador, Manta, sofreu o mesmo destino enquanto conversava com um jovem atleta na rua. E em maio, o candidato eleito Walker Vera foi assassinado pouco antes de assumir o cargo na cidade de Muisne, província de Esmeraldas.

Agora, organizações estrangeiras como cartéis mexicanos, gangues urbanas brasileiras e até a máfia albanesa estão colaborando com grupos criminosos equatorianos, alimentando o conflito, segundo analistas.

Um relatório publicado em março pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime afirmou que “traficantes dos Bálcãs e membros de grupos criminosos italianos se estabeleceram no Equador para estabelecer linhas de abastecimento para os mercados europeus”.

A luta contra o crime tem estado no topo da agenda política antes das eleições antecipadas deste ano, e ainda mais desde o assassinato de Villavicencio. Na última semana, os candidatos políticos foram rápidos em insistir em sua abordagem do problema.

fonte: CNN Brasil

Comments


bottom of page