top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Meta remove contas de líder supremo do Irã do Facebook e do Instagram

A Meta removeu as contas do Facebook e Instagram do Líder Supremo do Irã, Aiatolá Ali Khamenei.
As contas de Khamenei no Facebook e Instagram não estão mais disponíveis. Segundo a Meta, as contas foram desativadas, o que significa que foram removidas permanentemente.
“Removemos essas contas por violarem repetidamente nossa política de organizações e indivíduos perigosos”, disse um porta-voz da Meta à CNN.
A política não permite que organizações ou indivíduos que proclamem uma missão violenta ou estejam envolvidos em violência tenham presença no Meta. Isto inclui aqueles que glorificam, apoiam ou representam organizações terroristas designadas pelo governo dos Estados Unidos.
O Irã é há muito acusado de armar o Hamas, designado pelo Departamento de Estado dos EUA como Organização Terrorista Estrangeira (FTO). Em 2021, o Departamento de Estado dos EUA disse que o grupo recebe financiamento, armas e treinamento do Irã. Acredita-se também que o Irã tenha armado e treinado os Houthis no Iêmen, que foram redesignados como Organização Terrorista Estrangeira pelo Presidente Biden no mês passado.
“Houve uma enorme pressão sobre Meta para pôr fim à promoção por parte de Khamenei destas organizações listadas como organizações e indivíduos perigosos desde 7 de outubro”, disse Mahsa Alimardani, investigadora de direitos digitais na Article 19, uma ONG de direitos humanos.
“É uma pena que ele não tenha sido removido antes por conteúdo prejudicial contra seu próprio povo”, acrescentou ela.
A Meta não deu uma razão específica pela qual a conta de Khamenei se enquadrava na Política de Organizações e Indivíduos Perigosos.
A conta principal de Khamenei no Instagram tinha mais de 5 milhões de seguidores antes de ser removida.
Esta semana, a Microsoft revelou que “atores alinhados ao governo” iraniano lançaram uma série de ataques cibernéticos desde outubro de 2023, “destinados a ajudar a causa do Hamas e enfraquecer Israel e seus aliados políticos e parceiros comerciais”.
Teerã negou oficialmente qualquer envolvimento no ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro.
“Muitas das operações imediatas do Irã após 7 de outubro foram precipitadas e caóticas – indicando que tinha pouca ou nenhuma coordenação com o Hamas – mas, no entanto, alcançaram um sucesso crescente”, disse a Microsoft num blog na terça-feira (6).
Houve 11 operações iranianas de influência cibernética somente em outubro de 2023, em comparação com uma operação a cada dois meses em 2021.
No início de dezembro de 2023, hackers alinhados ao Irã interromperam alguns serviços de streaming de televisão nos Emirados Árabes Unidos, Canadá e Reino Unido e os substituíram por um vídeo de notícias apresentando um âncora de notícias aparentemente gerado por Inteligência Artificial que afirmava mostrar imagens de palestinos feridos e mortos pelas operações militares israelenses.
“Esperamos que a ameaça representada pelas operações cibernéticas e de influência do Irã cresça à medida que o conflito persiste”, afirmou o relatório da Microsoft Threat Intelligence.
“O aumento da ousadia dos atores iranianos e afiliados ao Irã, juntamente com a crescente colaboração entre eles, pressagia uma ameaça crescente antes das eleições nos EUA em novembro”, disse a Microsoft.
Fonte: CNN

Comments


bottom of page