top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Mais de 160 pessoas ficaram desalojadas por conta das chuvas do fim de semana em MG

Pancadas que provocaram a saída das famílias desde o fim de semana, ainda podem continuar até a manhã de segunda-feira (25/3)


Até a manhã de segunda-feira (25/3), população pode enfrentar risco de corte de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e descargas elétricas. FOTO: Mariane Rodrigues/Divulgação
Nos últimos dois dias, 160 pessoas foram desalojadas em Minas Gerais devido às chuvas, com a maior concentração de casos em Pará de Minas, no Centro-Oeste do estado, após as tempestades da última sexta-feira (22/3). Outros registros ocorreram em Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana, e Unaí, no Norte de Minas.

As pancadas de chuva, que resultaram no deslocamento das famílias desde o fim de semana, podem persistir. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), 394 municípios mineiros estão em alerta de “perigo” de chuvas intensas. Esse aviso é emitido quando há possibilidade de acumulado de até 100 mm/dia e ventos intensos de até 100 km/h.

O alerta mais grave abrange cidades das regiões Oeste, Sul, Sudoeste, Central, Campo das Vertentes, Zona da Mata, Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro. Consequentemente, até a manhã desta segunda-feira (25/3), a população enfrenta o risco de cortes de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e descargas elétricas.

Embora Belo Horizonte e a região metropolitana tenham saído da situação crítica de tempestades, permanecem em alerta de “perigo potencial”. Durante a manhã do domingo (24/3), a Defesa Civil da capital registrou um alerta para pancadas de até 30 mm, acompanhadas de raios e rajadas de vento em torno de 50 km/h. O aviso é válido até as 8h de amanhã.

Desde o início do período chuvoso, em setembro de 2023, 2.799 pessoas foram desalojadas no estado devido aos efeitos diretos dos desastres causados pelas chuvas, sendo obrigadas a buscar refúgio na casa de parentes ou amigos. Outras 399 pessoas precisaram recorrer a abrigos públicos.

Ao longo de cinco meses, seis fatalidades foram registradas em decorrência das precipitações, com ocorrências em Paracatu, Pedralva, Cássia e Viçosa. Atualmente, 96 municípios enfrentam situação de anormalidade devido às chuvas.

Comments


bottom of page